Tecnic Min Cid e CEF vist obras JP2Técnicos do Ministério das Cidades e da Caixa Econômica Federal (CEF) fizeram vistoria técnica, na manhã desta quinta-feira, 17, no canteiro de obras do prolongamento da avenida João Paulo II. Dirigentes do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM) acompanharam a visita.

A vistoria percorreu toda a extensão da obra, desde a estaca zero, na altura da rua Mariano, onde inicia o prolongamento da avenida até o elevado da rodovia Mário Covas, onde será construída a interligação da avenida João Paulo II com a BR-316, por meio da quarta pétala do elevado do Coqueiro.

Durante a visita, o diretor geral do NGTM, Cesar Meira, apresentou aos visitantes o projeto da nova via e pontuou os benefícios que a obra trará não apenas para quem vive no entorno da via, mas para a população paraense em geral. “Entre os benefícios dessa obra está a proteção ao Parque Ambiental do Utinga, já que a via se tornará uma barreira física, impedindo o avanço urbano sobre o Parque, que vinha acontecendo de forma irregular e, uma barreira sanitária, pois aqui também implantaremos um projeto de fitorremediação, que irá tratar as águas que chegam aos mananciais que hoje abastecem a cidade, um sistema de filtro de águas, que já é uma realidade em outros países, como a França e, que consequentemente, trará qualidade de vida para nossa população”, informou o diretor.

Projeto - A nova avenida será uma via metropolitana de duas pistas para tráfego geral, cada uma com 10,50 metros de largura, dividida em três faixas de tráfego com 3,50 metros cada. Na maior parte de seu comprimento, com 2,50 metros de acostamento, 2,50 metros para ciclovia bidirecional e 2 metros de calçada do lado esquerdo e 1,20 m do lado direito, no sentido Passagem Mariano/ BR-316, separada por canteiro central que terá largura variável.

A nova via possuirá acostamentos, ciclovias e calçadas, respeitando os preceitos legais de acessibilidade. Também contará com drenagem, iluminação pública e monitoramento de segurança. Sete passarelas para pedestres serão implantadas ao longo da via, às proximidades dos seis pares de pontos de ônibus urbanos. Toda a obra terá 4,7 quilômetros.

O projeto trará benefícios nas áreas ambiental, paisagística, social, de segurança, mobilidade, telecomunicações e de saneamento básico. O prolongamento da João Paulo II desafogará em grande escala o tráfego na RMB, pois hoje o acesso à capital paraense é feito pela Rodovia BR-316 e pela nova Avenida Independência e, com o prolongamento, os motoristas passarão a contar com uma terceira opção.

A interligação da Avenida João Paulo II com a BR-316 se dará com a construção da quarta pétala do elevado do Coqueiro. A conexão do prolongamento com o elevado do Coqueiro e, deste com a Rodovia Mário Covas, também permitirá o acesso direto à capital de veículos oriundos dos conjuntos Cidade Nova, Paar, além dos bairros do Coqueiro e 40 Horas, em Ananindeua. Com isso, o projeto busca melhorar a distribuição do tráfego geral e do transporte público, e viabilizar a implantação do BRT na Rodovia BR-316 até Marituba.

Além da nova avenida, quatro vias que completam o sistema de mobilidade receberão pavimentação, drenagem e iluminação pública: Rua Moça Bonita (entre Av. João Paulo II e BR-316); Rua do Fio (entre Passagem Simões e BR-316); Passagem Simões (entre Rua do Fio e Av. João Paulo II) e Rua da Pedreirinha (entre Av. João Paulo II e BR-316). O projeto abrange uma área de 271,41 hectares, compreendendo os bairros do Curió-Utinga e Guanabara, que têm cerca de 40 mil habitantes.

“Constatamos hoje a importância desse empreendimento para a Região Metropolitana de Belém, não apenas para contribuir com a questão da mobilidade urbana da cidade, mas também para servir de suporte para a implantação do BRT Metropolitano. Também destaco e considero relevante o trabalho em conjunto com a prefeitura de Belém para complementar o sistema de transporte público. Esperamos que o governo do Pará continue mantendo esse ritmo de trabalho nesta obra, para que ela seja entregue à população em dezembro, conforme o previsto”, declarou o gerente de Projetos da Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades, Rodrigo Carvalho.

Para o gerente de filial de governo da CEF, Paulo Cunha, a Caixa está muito satisfeita em contribuir com a obra. “Mais uma vez nós da Caixa saímos aqui dessa obra satisfeitos com o que pudemos ver, tanto com a qualidade do projeto, quanto com o ritmo que a obra vem avançando. Sabemos o quanto essa avenida contribuirá para a questão da mobilidade urbana da cidade e o quanto é importante para a população”, destacou o gerente.

As obras do prolongamento da Avenida João Paulo II avançam, mantendo a previsão de que sejam concluídas e entregues à população em dezembro deste ano. Atualmente, a obra já está com 98% da terraplenagem concluída, 45% da pavimentação, mais de 70% de obras de arte espaciais e 86% da drenagem, o equivalente a cerca de 77% do projeto.

 

Por Manu Viana