Gov Estado apresenta avancos mob transp BRT MetropMelhorar o trânsito da capital e o serviço de transporte público na Região Metropolitana de Belém. Esses são alguns dos objetivos do BRT Metropolitano, uma iniciativa do governo do Pará, por meio do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM). A assinatura da autorização que cede um trecho da BR-316, na saída de Belém, ao poder estadual, ocorreu na quarta-feira (9), no Palácio do Planalto, durante reunião entre o presidente Michel Temer e o governador Simão Jatene. Na tarde desta quinta-feira (10), no Palácio do Governo, em Belém, o chefe do executivo estadual concedeu entrevista coletiva para dar mais detalhes sobre a cessão e apresentar o cronograma de obras do projeto.

O BRT Metropolitano representa um investimento na ordem de R$ 530 milhões, recursos oriundos de financiamento da Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica), parceira técnica e financiadora do projeto. Ele faz parte de um sistema que foi pensado para trabalhar integrado com outros projetos executados pelo governo do Estado, como a avenida Independência (orçada em R$120 milhões), já concluída; a duplicação da avenida Perimetral (R$ 77 milhões), cuja primeira fase já foi executada e entregue e a segunda está em andamento e o prolongamento da avenida João Paulo II (R$ 300 milhões) que está em andamento com previsão de entrega para o segundo semestre de 2017. Junto com o BRT Metropolitano essas obras representam um investimento de mais de R$ 1 bilhão.

"Esse é o maior programa de mobilidade urbana já executado até hoje, não só pela complexidade das obras, mas também pelo montante muito expressivo, pois nunca foi investido um valor como este na mobilidade urbana, principalmente em um momento de crise como este que o país vive. É esse conjunto de obras que vai fazer com que melhore a qualidade de vida não só da população da região metropolitana de Belém, mas de todos aqueles que trafegam pela via”, afirmou Cesar Meira, diretor geral do NGTM.

Para o governador Simão Jatene, esta é mais uma obra que representa o esforço do Estado em melhorar a qualidade de vida da população. “É importante que a sociedade saiba que o BRT Metropolitano integra esse grande sistema de obras que estão, inclusive, em andamento. Essa intervenção na BR-316 significa não apenas implantar um corredor de transporte no sentido de uma nova linha, significa reconstruir a BR-316 nesse trecho. Transformar essa rodovia em uma grande avenida que vai facilitar a mobilidade urbana e a entrada da cidade”, afirmou.

O chefe do executivo estadual também destacou que com a obra, não haverá a cobrança de pedágio na via. “É importante também ressaltar, e que toda a sociedade tenha clareza, é que não vai existir essa história de pedágio. A ideia de que seria privatizado, graças a Deus e ao bom senso do presidente da república, que delegou ao Estado para fazer essa obra, não vai mais acontecer”, tranquilizou o governador. A próxima etapa para a implementação do BRT Metropolitano inclui abertura de licitação, que deverá ser feita nos próximos meses, cumprimento de prazos legais e início das obras, previstas para meados de 2017. A entrega deverá ser feita até o final do ano de 2018.

Projeto - Com a concessão pela União, o trecho de 16 quilômetros que vai do Entroncamento até Marituba, quase na entrada de Benfica, além da Alça Viária, passará a ser administrado pelo Estado. O projeto inclui duas pistas, uma em cada sentido, com quatro faixas em cada uma delas (uma exclusiva para o BRT); nova iluminação de LED, drenagem e pavimentação; calçadas arborizadas; ciclovias nas duas extremidades, todas elas bidirecionais; 13 passarelas para travessia de pedestres e paisagismo. O governo do Estado será responsável pela manutenção da via e o governo federal, pela fiscalização.

Os trabalhos fazem parte do programa Ação Metrópole, projeto que também inclui a construção de alternativas viárias à rodovia BR-316, como o prolongamento das avenidas João Paulo II e Independência; e a adequação de vias que integram a rede de transporte coletivo.

Articulação – O projeto de implantação do BRT Metropolitano teve origem em 2012. No fim de 2013, o NGTM deu início ao processo licitatório internacional para a elaboração do projeto executivo e execução do gerenciamento da obra do BRT Metropolitano e, em fevereiro de 2014, foi assinado o contrato com o Consórcio Troncal, vencedor do certame. O consórcio é constituído por quatro empresas, duas brasileiras e duas japonesas. O projeto executivo já foi concluído. O prazo de execução dessa obra é de 20 meses e sua conclusão depende da data de lançamento do processo licitatório e posterior início dos trabalhos, etapas que dependem unicamente da autorização do governo federal.

Há mais de um ano o governo do Estado vinha negociando a concessão com o governo federal, sempre expondo à União, em reuniões e através de documentos, a necessidade da estadualização do trecho para que o governo possa executar obras que ajudem a desafogar o trânsito na região. “O governador Simão Jatene mostrou que esse projeto vem se desenvolvendo há muito tempo, desde 2012, e lamentavelmente ele já podia ter iniciado há um ano, mas com os entraves que ocorreram ele só foi liberado agora pelo presidente Michel Temer”, comentou o senador Flexa Ribeiro.

Região Metropolitana - Os representantes dos três municípios envolvidos no projeto comemoram a cessão da via. “Este é um projeto grandioso que vai melhorar as condições de toda a população. Imaginem a comodidade e os benefícios que a população terá com o BRT de Belém, as novas avenidas já em pleno funcionamento e com a BR-316 finalizada. Será um ganho para todos. Os transtornos para execução da obra são inevitáveis, como para qualquer obra, mas o retorno será certo. Estamos muito felizes em fazer parte deste grande projeto para a melhoria da mobilidade urbana e do transporte da nossa cidade”, afirmou o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho.

Para o prefeito de Ananindeua, Manoel Pioneiro, este é um momento importante para a população. “O benefício que esta obra vai trazer é imensurável não só para os mais de 500 mil habitantes de Ananindeua, mas para todos. Nós vamos ter além de uma nova avenida, mais segurança para os pedestres com as novas passarelas. No quesito transporte, também, pois haverá a integração com todos os bairros e havia uma necessidade muito grande de fazer com que o transporte coletivo funcione”, destacou Pioneiro.

O prefeito de Marituba, Mário filho, também comemorou. “A mobilidade urbana é um problema que todos os municípios têm sofrido. Essa cessão da BR vai fazer com que essas obras do BRT agora sejam licitadas e iniciem e com isso, sem dúvida nenhuma, Marituba vai receber esse avanço, pois o primeiro trecho de 10,7 km acaba na Alça Viária”, afirmou. “Nosso município já estava se preparando para receber a obra. No nosso plano diretor, que foi atualizado no ano passado, a adequação para o recebimento do BRT já existe”, finalizou Mário Filho.  

Também participaram da coletiva de imprensa o líder do governo na Assembleia Legislativa do Pará, deputado Eliel Faustino, o chefe da Casa Civil do Estado, José Megale e a diretora executiva do Núcleo Executivo de Transporte Metropolitano (NGTM), Marilena Mácola.

 

Saiba mais:

Assinada cessão da BR-316 ao Estado para obras do BRT Metropolitano

 

Por Lidiane Sousa